quinta-feira, julho 24, 2008

"Cálice", que também se lê "Cale-se" ou ainda... "continuemos assim, continuemos"!

Decorria o ano de 1976, em plena ditadura militar no Brasil, quando Chico Buarque fez esta canção.

Agora aqui, neste tempo que corre, dou por mim a pensar se não estaremos nós, no mundo ocidental, igualmente a viver dias como os de então. Se é certo que não há ninguém a bater-nos nem a prender-nos, por vezes parece-me que somos nós próprios a fazermos esse serviço. Como? Pela inércia. Inércia de pensamento, de acções, de manifesto. Claro que votamos livremente, que podemos dizer o que quisermos, que podemos achincalhar os governos... mas será que não está a faltar nada? Não estaremos nós tão ditatorialmente escravizados pelo Trabalho-Casa-TV-Cama diários quanto o estavam os viventes da ditadura brasileira de 76? Será que as nossas preocupações mesquinhas não estarão de igual modo a amordaçar o que há de melhor em nós?

Como "diz" Sean Penn em «Into The Wild» talvez seja hora de revermos alguns dos valores (valores?!) pelos quais vivemos.

A não ser que prefiramos continuar no sofá, desligados, claro.

(Noutros tempos dir-se-ia com toda a propriedade que estaríamos a estrumar o chão para que aparecesse um ditadorzinho emergente e nos convencesse que o ser humano não merece a liberdade.)

Para mim, o poema e canção que aqui deixo, são brutalmente actuais.


Cálice

Pai, afasta de mim esse cálice

Pai, afasta de mim esse cálice

Pai, afasta de mim esse cálice

De vinho tinto de sangue


Como beber dessa bebida amarga

Tragar a dor, engolir a labuta

Mesmo calada a boca, resta o peito

Silêncio na cidade não se escuta

De que me vale ser filho da santa

Melhor seria ser filho da outra

Outra realidade menos morta

Tanta mentira, tanta força bruta


Como é difícil acordar calado

Se na calada da noite eu me dano

Quero lançar um grito desumano

Que é uma maneira de ser escutado

Esse silêncio todo me atordoa

Atordoado eu permaneço atento

Na arquibancada pra a qualquer momento

Ver emergir o monstro da lagoa


De muito gorda a porca já não anda

De muito usada a faca já não corta

Como é difícil, pai, abrir a porta

Essa palavra presa na garganta

Esse pileque homérico no mundo

De que adianta ter boa vontade

Mesmo calado o peito, resta a cuca

Dos bêbados do centro da cidade


Talvez o mundo não seja pequeno

Nem seja a vida um fato consumado

Quero inventar o meu próprio pecado

Quero morrer do meu próprio veneno

Quero perder de vez tua cabeça

Minha cabeça perder teu juízo

Quero cheirar fumaça de óleo diesel

Me embriagar até que alguém me esqueça


Chico Buarque de Holanda



2 Comments:

Blogger Meia Lua said...

:), Chico Buarque, génio intemporal... já tinha saudades de vir aqui. E sim, falta "abrir a porta", como dizes a inércia parece um mal geral... beijinhos

4:56 da tarde  
Blogger Nelita said...

:)
há coisas que nunca mudam...

11:10 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home